Amor segundo Chico Buarque

Muito já se falou sobre o destaque dado à mulher e aos marginalizados na obra de Chico Buarque. Ampliando a percepção para outros temas abordados pelo artista, sempre me questionei sobre a representação do amor em suas canções e sobre o modo como homens e mulheres vivenciam as relações amorosas. Tal interesse me levou a escolher essa vertente da produção de Chico como tema da minha monografia de conclusão do curso de Jornalismo. Esse blog, aliás, também é um fruto desse trabalho, que me trouxe tanta alegria e pelo qual me sinto muito orgulhosa.

Antes de começar a destrinchar o universo amoroso da obra buarquiana, cito aqui uma canção do compositor, síntese de sua visão do sentimento:

Em Samba do Grande Amor, de 1983, o emissor da canção revela seu descontentamento em relação ao sentimento. A palavra “mentira”, repetida exaustivamente ao longo de toda a música, se refere a sua descrença no amor, um desencanto proveniente de desenganos e decepções que se sucedem nos versos. A composição é apenas um exemplo dentre tantos outros nos quais Chico explora uma representação do amor que foge do ideal construído pelos contos de fadas, pelos finais felizes das novelas e dos filmes românticos, em que relações amorosas e perfeição caminham juntas em sintonia. O amor de Chico é real, não aquele que sonhamos, mas aquele que vivemos. Um amor que divide espaço com os problemas cotidianos, com a mesmice da rotina, com as contas a serem pagas, os filhos a serem educados, as puladas de cerca, as acolhidas resignadas, os conflitos das ideias e personalidades contrárias.

Nas canções de Chico, fantasias quase nunca sobrevivem, amores são imperfeitos e inatingíveis, e príncipes viram sapos da noite para o dia, como nos queixa a pobre e desiludida Lily Braun nos versos dessa composição de 1982, escrita em parceria com Edu Lobo:

Como num romance

O homem dos meus sonhos

Me apareceu no dancing

Era mais um

Só que num relance

Os seus olhos me chuparam

Feito um zoom […]

Abusou do scotch

Disse que meu corpo

Era só dele aquela noite

Eu disse please

Xale no decote

Disparei com as faces

Rubras e febris

E voltou

No derradeiro show

Com dez poemas e um buquê

Eu disse adeus

Já vou com os meus

Numa turnê

Como amar esposa

Disse ele que agora

Só me amava como esposa

Não como star

Me amassou as rosas

Me queimou as fotos

Me beijou no altar

Nunca mais romance

Nunca mais cinema

Nunca mais drinque no dancing

Nunca mais cheese

Nunca uma espelunca

Uma rosa nunca

Nunca mais feliz

Que qualidades ímpares possui o escolhido de nossa emissora antes do casamento. Encantada, ela cede, abandona a vida de dançarina por uma ao lado do amado. Eis, então, que tudo se transforma. Do modelo de relação amorosa ardente e apaixonada, um casamento morno, sem paixão, sem fogo. Nunca mais feitiço, nunca mais encanto. O beijo no altar de Lily Braun sela o desfecho de um romance, o último suspiro de uma fantasia  que, afinal de contas, cerca todos os amores. Mais buarquiano, impossível.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: